quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Bolinhos de chuva

Olá boa noite,

Hoje fiz pela primeira vez uma receita de bolinhos, que representam uma tradição brasileira, particularmente nas regiões do interior, os bolinhos de chuva. 

São feitos em dias de chuva quando a criançada devido à chuva, não pode  brincar no exterior. Assim, ajudam as mães ou avós a amassar os bolinhos e fritam-nos,  fazendo um belo lanche em família e ocupando o tempo.
Há imenso tempo que queria fazer, mas nunca tinha tido a disposição.  Agora fiquei fã! São tão fofos, tão macios e agradáveis, até para um pequeno almoço. 
Ontem estive a ver um programa de culinária no Youtube, com bolinhos de chuva recheados...será para uma próxima oportunidade.
Procurem,  colocando no motor de busca, bolinho de chuva recheado. Foi nesse programa, muito famoso no Brasil e passa todas as semanas, que tirei a receita dos bolinhos.






Receita para confeccionar os «Bolinhos de chuva»:


Três quartos de uma chávena com açúcar ( Uma chávena mal cheia)
2 colheres de manteiga
2 ovos inteiros
350 ml de leite de coco ( misturo o conteúdo de uma lata com duas latas de água e bato com a varinha. Guardo como outro leite)
Fermento - 1 colher de chá
pitada de sal
Duas chávenas e meia de farinha fina, sem fermento.
Ligam-se  o açúcar, com os ovos, e a margarina  derretida e já morna. à parte junta-se a farinha e o fermento.
Ao previamente preparado, junta-se o leite, adicionando aos poucos. Depois junta-se a farinha já com o fermento, uma pitada de sal. Bate-se a massa até fazer bolinhas.
Pessoalmente juntei raspa de meio limão e uma colher de chá de canela. Polvilham-se com açúcar e canela. Como podem verificar, pus pouco açúcar e canela, por cima dos bolinhos, assim ficam menos calóricos...

 Experimentem, fica muito em conta. E preciso dizer-vos, amassei os bolinhos ontem à noite. Depois não me apeteceu fazê-los, tapei a massa com película aderente e guardei no frigorífico. Hoje a massa estava super fofa.
São fritos em óleo de girassol, soja ou cartamo, quente. Depois são escorridos sobre papel, mas não ficam húmidos, ficam sequinhos.

Óptimos...divinais!